quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Semana de moda de Paris - Primavera Verão 2014 - Parte 2

   Olá, esse é o ultimo post sobre a semana de moda de Paris, ao final dele coloquei um resumo das tendencias que veremos em breve nas lojas.

Jean Paul Gaultier 
   Um repertório roqueiro bem anos 1980, repleto de couro preto incluindo jaquetas desconstruídas, saia-lápis com zíper na diagonal, tops de renda, meia arrastão, boina e muitas camadas de babados, além de uma série de vestidos usados com casados e jaquetas. Gaultier atualizou o seu célebre sutiã e homenageou Amy Winehouse com um vestido longo com fenda ousada e decote de um ombro só.



John Galliano 
   Referências esportivas como bonés e viseiras, neoprene, flores cortadas a laser e plataformas e cintos metálicos definiram a pegada futurista. Do passado, restaram os tradicionais vestidos longos de festa que entraram em cena no final do desfile.



Kenzo
   O desfile aconteceu no gigantesco polo cinematográfico Cité du Cinéma e os estilistas exploraram uma série de referências aquáticas, com estampas gráficas de chuva, peixes e modelagem com recortes no formato de ondas. Referências esportivas também permearam o desfile, que contou com uma cartela de cores com muito branco, preto, cinza, azul e vermelho.



Lanvin
   O estilista iluminou a passarela com uma proposta cintilante. Ao lado de tules metálicos e sedas, o tecido acendeu jaquetas, camisas, calças, saias e macacões, dando uma pegada glam rock. Havia uma série de vestidos plissados com fendas e cintura bem anos 20 e tubinhos com cintura marcada por cintos largos. Trench coats de couro, jaquetas e calças com elástico no tornozelo surgiram poderosos.




Maison Martin Margiela
   Um jogo interessante entre masculino e feminino deu o tom à coleção. Para eles a alfaiataria masculina tradicional com uma cartela de tons escuros foi desconstruída dando vazão a um repertório de peças estruturadas. Para elas o blazer usado ao contrário no início do desfile evoluiu para uma espécie de colete com os ombros cortados. Mangas e presas com fitas no pescoço das modelos, calças, muitas em risca de giz, tinham faixas de cetim nas laterais e foram usadas sobre lingeries brilhantes aparecendo na cintura.



Nina Ricci
   A aposta era forte em peças românticas, cheias de leveza que mais pareciam flutuar na passarela. Rendas, babados, plissados e texturas, como brilhos aplicados nas saias e nos tops, vestidos vazados e a saia com brilho plastificado e nos vestidos de festa, tecidos esvoaçantes, longos ou curtos, deixaram muita pele à mostra.



Paco Rabanne
   Em sua estréia, Julien Dossena apresentou uma coleção com extensa mescla de influências e inspirações incluindo os anos 60, um visual retro futurista e sapatos que lembram botas de caubói. A coleção traz comprimentos curtos em sua maior parte e peças feitas com couro metálico prateado.



Rick Owens
   No lugar das modelos, recrutou um time de steppers plus-size, mulheres negras simplesmente normais. O resultado foi uma celebração da diversidade racial e corporal nas passarelas. Na trilha música eletrônica pesada enquanto as dançarinas faziam cara de raivosas. Na moda com pegada esportiva, a cartela de cores foi baseada em preto, branco e bege e entre os materiais, muito couro e modelos que lembravam uniformes de freiras e enfermeiras.



Rochas
   Inspiração nos sonhos românticos como toda a cinderela deseja. O resultado foi uma moda ladylike, abarrotada de bordados, brocados, rendas e transparências inocentes com flores e muito brilho, blusas cravejadas de cristais, um vestido longo de renda prateada e um vestido de babados coberto com pequenos cristais que lembravam açúcar. A silhueta veio madura, com casacos estruturados, comprimentos mídi e longos e muitos chinelos e mules decorados com penas.



Sonia Rykiel
   Uma pitada de anos 20 e focada em muitas saias-lápis com comprimento abaixo do joelho e cintura soltinha definem a coleção. Entre os detalhes, barras fininhas aplicadas nas blusas e saias, as mesmas das tiras das sandálias. Nas estampas losangos tradicionais dos suéteres ingleses foram desconstruídos e estampados em saias, regatas longas e blusas, em cores e tamanhos variados.



Viktor & Rolf
   Uma coleção com pegada colegial rebelde que teve como resultado uma legião de garotas que entraram em cena vestindo blazers navy, camisas brancas e saias plissadas, uniformes clássicos da escola, quase que totalmente desconstruídos. Entre os looks, emblemas surgiram nas jaquetas, um vestido assimétrico foi feito com metade de um blazer e muitas pregas definiram geometrias nas saias. Destaque para a referência punk da coleção essencialmente jovem, com spikes cobrindo golas, bolsos e um vestido branco.



Vivienne Westwood 
   A dama do punk Vivienne Westwood resolveu chamar atenção para as questões climáticas e assim o clima bem dramático e teatral do desfile foi construído com uma série de looks de ninfas modernas, princesas, fadas, guerreiras com flechas e cajados, e até uma versão de Chapeuzinho Vermelho usando vestido de festa e capa. Vestidos drapeados e leves em tons pastel, sem mangas e com barras assimétricas, lindas saias longas com estampas florais, uma calça jeans azul-claro e um bom casaco xadrez usado com microshort esportivo.  



Yohji Yamamoto 

   A alfaiataria desconstruída foi o ponto de partida da coleção que abusou dod recortes vazados nos ombros e mangas, sobreposições de peças em tecidos leves, transparências e drapeados que constroem uma silhueta com volumes e camadas. As modelos compuseram uma espécie de exército de guerreiras, com o cabelo embranquecido.




   Bom, veremos modelagem tipo quimonos, além de uma silhueta sexy e justinha, e comprimento midi. Nas estampas os florais, tribais, formas geométricas, riscas, animal prints, estampas de leopardo, cobra, zebra, onça. Nos tecidos, muito brilho, - Sim, ainda muito brilho! E couro.
   Vejo que os detalhes irão fazer a diferença, tudo com muito capricho e informação com um toque retro.
   Beijos e até mais!