terça-feira, 24 de setembro de 2013

Semana de Moda de Nova York - Verão 2014 - Parte 2

   Essa é a continuação do post sobre a semana de moda de Nova York.Confira!

Herve Leger by Max Azria

   Sexy e muito desejado, o vestido bandagem foi novamente o foco da Hervé Lérger para o verão 2014. Max e Luboz Azria resolveram utilizar as técnicas de costura e apostar na riqueza de detalhes usando zíperes para construir praticamente toda silhueta da coleção que surgiu marcada em saias lápis, corpetes justíssimos e decotes ousados.  A dupla também incorporou cintos de couro preto e babado peplum para valorizar ainda mais as curvas.  Destaque para a série de estampas inspiradas na arte corporal polinésia e interessantes detalhes em tricô com brilho.



 J. Crew
   Com clima praiano e inspiração nas praias da Califórnia na costa de Veneza surgiu uma coleção high-low pronta para ira para as ruas. Entre as peças-chave, estão ótimas calças folgadas com estampas de hibiscos, vestidos com prints florais, saias de neoprene e t-shirts combinadas com calça cropped ou saia de renda.




J. Mendel

   Um delicado trabalho em patchwork e uma coleção inspirada pela música Cargo Culte, do francês Serge Gainsbourg definiu o verão 2014 do estilista francês Gilles Mendel.  Logo no começo, uma série de looks em tons pastel, tipo sorvete, surgiram em tecidos delicados com uma grande variedade de rendas, vestidos com bordados, tiras de peles, bolsos, babados discretos, drapeados e fitas de cetim.



Jason Wu
   Inspirada em Karen Elson, 34 anos, modelo e cantora inglesa que, com cabelos alisados e presos, como se tivesse acabado de voltar de um mergulho, e usando um vestido brilhante que lembrava as areias douradas, abriu seu desfile. Dois vestidos de festa que marcavam as curvas e traziam majestosas caudas felpudas. O mesmo brilho que lembrava as areias marcou todo o desfile, surgindo em saias e vestidos nas cores nude, bege, branco, cinza, azul-marinho e preto. Destaque para as camisas em estilo safári com bolsos bem colocados e transparências e para um macacão tomara que caia preto e azul-petróleo.

 



Jenny Packham

   Como tema, a estilista propôs uma volta à década de 1970, se inspirando inclusive nas garotas do filme cult australiano Picnic na Montanha Misteriosa, de 1975. O toque vintage surgiu nos cocktail dresses de corte preciso, bordados meticulosos como pequenas rosas aplicadas sobre tecidos delicados e uma sensualidade que permeava toda a cena. Explorando bem os tons pastel, azul, amarelo e o vermelho destaque para detalhes charmosos como laços amarrados no pescoço e cintura marcada com faixa de cetim.



Jeremy Scott 
   Em parceria com o artista Kenny Scharf, conhecido por suas pinturas inspiradas em desenhos dos Flintstones e Jetsons, o estilista Jeremy Scott criou uma coleção cheia de exageros. Batizada de “Teenagers from Mars” uniu filmes B de ficção científica à rebeldia dos anos 1950. Vestidos de um ombro só, maiôs, saias e bustiês, tudo muito justo e com um toque sadomasô, estampas de animal prints, caricaturas, tentáculos, pinceladas de tinta, manchas coloridas, tudo divertido e assustador. Camisetas com frases de protesto, como a que exibia a expressão “Earth Sucks”, têm tudo para ganhar as ruas.



Jill Stuart
   Foi pensando no visual para a namorada de um rockstar usar enquanto passa férias em algum lugar exótico que a estilista Jill Stuart criou seu verão 2014. Em clima praiano, não faltaram pernas de fora, tops cropped, maiôs estampados, caftans e vestidos estilo lingerie com influência rocker, como peças de couro preto, entre elas vestidos, minissaias, blusas e jaquetas para ela sair à noite.



Lacoste
   Em uma coleção minimalista, a Lacoste aposta mais uma temporada em looks esportivos. Desta vez, a faixa branca da quadra de tênis foi o ponto de partida para o estilista. Nos looks femininos, marcados pela silhueta em A, as faixas surgiram nos casacos, vestidos, saias e nas tradicionais camisas polo. Uma série de casacos longos sobre minivestidos foi destaque no desfile de Nova York, assim como as transparências em interessante combinação de branco sobre branco.



Marc By Marc Jacobs
   Para o verão da Marc By Marc Jacobs, sua segunda linha, Marc Jacobs resolveu inserir um uniforme na passarela. As mesmas roupas vestidas pelos meninos foram usadas pelas meninas e, por isso, ficou evidente a dedicação do estilista para os ternos. Havia trajes tradicionais, risca de giz, com lapelas em cores diferentes, e grande parte das garotas vestia modelos confeccionados com cetim brilhante. A modelagem da alfaiataria lembrava bem os anos 1980, ampla e relaxada, com calças soltinhas usadas com camisas, camisetas e tênis. Tudo muito confortável e casual. Em um momento bem feminino, Jacobs investiu em vestidos retos e soltos de lurex, cobertos de paetês e lantejoulas, revelando um brilho metálico bem New Wave. O toque esportivo da coleção surgiu com as jaquetas, muitas delas em cetim também para os meninos.



Marc Jacobs
   Para Marc Jacobs a moda de verão pode ser uma fábula sombria, pesada, que se passa em uma praia de areia preta brilhante, suja de bitucas de cigarro e repleta de partes de navio naufragado e foi nesse cenário que o estilista mostrou sua nova coleção. Num mix de surf e roupas da realeza, a androginia era visível nas modelos, que usavam perucas loiras com fios curtos. Destaque para muitas bermudas - hit da estação -, moletons, vestidos até o chão, saias estampadas nas laterais ou de paetês, usadas com sandálias do tipo papete, tênis e botinhas até a canela.



Marchesa
   Para o verão de festa da Marchesa, as estilistas Georgina Chapman e Keren Craig propuseram um conto de fadas. O romance estava em toda a parte. Nas rendas, tules, bordados e até na sequência de peças de renda preta, opção para moçoilas que flertam com o estilo rocker, mas não menos delicadas. Leves e elegantes, vestidos e saias-lápis, que definiam as curvas, tops com modelagem quadrada, florais pintados à mão e plumas davam a impressão que a coleção flutuava na passarela.



Michael Kors
   Atemporal e muito feminina. Assim é a coleção desfilada por Michael Kors em Nova York. O estilista fez um passeio pelas décadas de 1940 até 1970 e propôs uma moda clássica e levemente romântica, para usar no mundo real. Detalhes como fendas e transparências quebravam o tom comportado das peças deixando as pernas sempre à mostra,  elegantes vestidos com comprimento na altura do joelho, muitos deles plissados, conjuntos de crochê, saias-lápis e, para dias mais frios na cidade, ótimos cardigans e charmosas estolas brancas.



Mm6 Maison Martin Margiela
   Paleta repleta de cores refrescantes, como branco, cinza e preto, e a silhueta reta, harmoniosamente limpa, de uma elegância fácil, há muitos pontos positivos para destacar na coleção, entre eles, os práticos casacos com jaquetas crooped sobrepostas, que vez por outra, surgiam sozinhas. Os vestidos do tipo trapézio curtinhos ganharam cordões na barra e mangas mais amplas, também havia muitas bermudas de alfaiataria e transparências (duas das tendências mais fortes dessa temporada). Vale olhar para os tricôs e para as elegantes bolsas arredondadas, um dos acessórios mais bonitos vistos até agora.



Monique Lhuillier 
   Conhecida por ser a musa das americanas, Monique Lhuillier criou uma série de looks em organza em tons pastel, com delicadas transparências, apresentada no início do desfile. Não menos elegantes, as cores surgiram em ousadas combinações de vermelho, coral, rosa e laranja. Entre os longos, destaque para o decote tomara que caia e para as saias amplas e esvoaçantes.



   Ainda falta o último post sobre a semana de moda de Nova York. Não deixe de ver!
   Beijos.